terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

O Caçador de Pipas

Assisti recentemente e recomendo!

O romance do afegão Khaled Housseini é considerado um dos maiores sucessos da literatura mundial dos últimos tempos. E deu origem a um filme maravilhoso.

Ambientada originalmente no Afeganistão, a trama acabou sendo filmada na região de Kashnar, na China, para evitar o trânsito por zonas de conflito. Na cidade chinesa, a produção encontrou um bairro muçulmano cuja similaridade com a Cabul pré-guerra garantiu a autenticidade do cenário. O autor do best-seller não só aprovou o roteiro, assinado por David Benioff (de “Tróia”), como viajou à China para acompanhar as filmagens de perto e participar da escolha dos atores que participariam da produção.


O caçador de pipas
Khaled Hosseini

SINOPSE:
Este romance conta a história da amizade de Amir e Hassan, dois meninos quase da mesma idade, que vivem vidas muito diferentes no Afeganistão da década de 1970. Amir é rico e bem-nascido, medroso, e sempre em busca da aprovação de seu próprio pai.
Hassan, que não sabe ler nem escrever, é conhecido por coragem e bondade.
Os dois, no entanto, são loucos por histórias antigas de grandes guerreiros, filmes de caubói americanos e pipas. Após um fato que marca para sempre a vida dos dois amigos, eles seguem caminhos diferentes.
Amir vai para os Estados Unidos com o pai, fugindo da invasão soviética ao Afeganistão, mas vinte anos depois Hassan e a pipa azul o fazem voltar à sua terra natal para acertar contas com o passado.

Opinião de uma grande escritora:
"Esta é uma daquelas histórias inesquecíveis, que permanecem na nossa memória por anos a fio. Por muito tempo, tudo o que eu li me pareceu sem graça. Todos os grandes temas da literatura e da vida são o material com que é tecido esse romance extraordinário: amor, honra, culpa, medo, redenção."
- Isabel Allende

Fonte: G1 news
________________________________________________

Uma frase que Hassan disse a Amir me emocionou profundamente:

"Por você, faria isso mil vezes!"

2 comentários:

Eternessências disse...

Já tive a oportunidade de assiti-lo também, "Mari"! É uma boa produção, embora ache o livro insubstituível! Traça melhor o perfil psicológico de Amir; seus medos , conflitos e necessidades...
É uma linda história de amizade e reparação , que nos leva a reflexões diversas.
À frase que você destacou no post, acrescento outra que julgo muito importante, principalmente quando erramos e nos sentimos paralisados no remorso: "HÁ UM JEITO DE SER BOM DE NOVO!"
Necessário se faz recomeçar...
Beijo!
Rose.

Mônica disse...

ganhei esse livro de presente de aniversário. ainda não li. mas acho que vou gostar.